Assine aqui para receber atualizações deste blog

terça-feira, 28 de setembro de 2010

TEMA LIVRE

Dando continuidade ao blog e visando dirimir as principais dúvidas dos médiuns, está aberto para postagem o tema livre como vinha acontecendo neste blog. Estou aguardando as postagens.

Axé,
Camila

43 comentários:

  1. Lourenço Guimaraes29 de setembro de 2010 15:37

    Então vou começar!

    Voces acham que a principal função de um Terreiro de Umbanda é atender aos consulentes ou desenvolver a mediunidade e a espiritualidade dos médiuns que lá frequentam? Faria sentido um Terreiro sem assistência?
    Uma vez que os mediuns se tornando mais espiritualizados, provavelmente agiriam de forma mais humanizada no seu dia-a-dia, isso já seria um avanço, não?

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, meu nome é Silvana e sou de São Paulo. Queria saber se é comum o médium lembrar do que está acontecendo quando está incorporado?

    ResponderExcluir
  3. Lolô, eu não consigo imaginar um terreiro sem assistência. Acredito que o desenvolvimento mediunico ficaria muito mais difícil, principalmente pela falta da prática da caridade e do próprio treinamento.

    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  4. Silvana, o médium não é inconsciente (salvo casos excepcionais), ele tem plena e total consciência do que está acontecendo durante a incorporação.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  5. Tenho uma dúvida que até hoje não consegui sanar completamente. Todos nós temos tipos de mediunidade diferentes. Um cambone ao auxiliar um mesmo médium por um tempo muito grande, não seria influenciado, ao começar a incorporar e também trabalhar no toco(se for este o caminho de sua mediunidade)com o modo de trabalhar do médium que auxiliou? Não ficará meio confuso se as entidades com ele trabalharem de forma diferente? Por histórias dos mais antigos creio que em outros tempos havia mais pessoas com uma vocação nata para cambonear. Em marketing se usa um termo para essa importante pessoa que faz o meio de campo: ombudsman, palavra sueca que quer dizer a quem é delegada uma função, no caso para supervisionar os resultados da publicidade. Bricadeuras à parte, peço à triade que comanda agora o blog que se possível abram um espaço para os cambones contarem suas histórias, pois através delas mais pessoas consigam sentir a importância desta função no terreiro. Saravá a todos!

    ResponderExcluir
  6. Olá

    Gostaria de saber se é "comum" e "correto" Exus usarem ervas em seus trabalhos.

    Por exemplo folha de bananeira.
    Jeverson

    ResponderExcluir
  7. Bom dia a todos.
    Aproveitando o post do pai pequeno Lolô e a resposta da Camila sobre as pessoas mais humanizadas.

    Queria saber opinião de nossos dirigentes.

    Uma vez que a Umbanda não tem um código de regras, fato que para mim é uma das belezas da nossa religião. Como nós Umbandistas devemos refletir em nossas ações diárias?

    Ao meu ver penso que devemos levar aquele velho ditado como base.
    O meu limite termina quando inicia o limite de uma outra pessoa.

    Saravá

    ResponderExcluir
  8. Mucuiu Mae Lu!
    Bom dia a todos!



    Os terreiros, os templos em geral, aonde estao sendo aplicados a caridade verdadeira e o amor, tem a funçao natural de reforma intima dos frequantadores, sendo mediuns ou assistencia.
    O meu questionamento é como manter esta vibraçao de crescimento no dia a dia, quando nos debatemos com as mais dificeis e diversas situaçoes, enquanto moradores da Terra, e que muitas vezes nos frustam e cansam ?
    Porque é certo que dentro da egregora de um terreiro (no caso dos umbandistas), é muito facil praticar caridade e bons pensamentos. Porem, confesso minha imperfeiçao quanto aos embates da vida, quando entao preciso enfrentar obstaculos, contando somente com minha consciencia como canal de percepçao.
    Sarava!
    Aline

    ResponderExcluir
  9. Jeverson, as ervas não são elementos característicos do trabalho de Exu. As folhas de bananeira podem substituir os alguidares, contribuindo para o meio ambiente, mas somente essa é a sua função.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  10. Andréa, acredito que os diferentes modos de mediunidades não se confundem com a maneira de trabalhar de cada médium.

    Quando você diz que um cambone pode interferir nas incorporações considerando o tempo que foi cambone, não acho que essa postura deve ser adotada, até porque cada médium tem o seu espírito que irá desenvolver a mediunidade, não pode haver esse tipo de influência até para não atrapalhar o desenvolvimento.

    Eu fui cambone da Cris Mendes por 5 anos, tenho maior respeito por todas as entidades, mas sei que são entidades que dizem respeito à ela, eu tenho as minhas.

    Aproveito a tua postagem para ressaltar a importância de cambonear, não há melhor escola.
    Quanto a sugestão de abrir o espaço para os cambones contarem as histórias, não acho recomendável pela ética e sigilo que eles devem manter.

    Axé
    Camila

    ResponderExcluir
  11. Pai Béco de Oxóssi30 de setembro de 2010 12:16

    Oba!
    O blog Pai Maneco está de volta. Vamos usá-lo como fonte de alimentação para ampliar o conhecimento da nossa religião.Como aumentou muito o número de médiuns, sugiro, aos mesmos, que se identifiquem, nas postagens, colocando a gira que pertencem. Parabéns Pai Fernando, Lucília, Thiago e Camila.
    Pai Béco de Oxóssi (quinta) Axé!

    ResponderExcluir
  12. Aline, nós como seres humanos nos deparamos com empecilhos que fazem parte da nossa vida, mas nem por isso devemos deixar de lado nossos ensinamentos espirituais. Inclusive isso deve ser adotado para que a situação não seja de tanta dificuldade.

    Ao encarar uma situação, você quem irá fazer a história, por isso não pode enfrentar de maneira negativa, até porque devemos separar as situações fáticas das intervenções espirituais.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  13. Rogerinho, acho que a tua pergunta se relaciona com a da Aline no que diz respeito a condutas dos médiuns fora do Terreiro. Realmente as nossas ações diárias devem ser aquelas previsíveis para o homem médio, quais sejam: respeitar o outro cidadão como pessoa, a natureza como fonte esgotável de vida, educação como base de tudo, família como estrutura emocional e assim por diante.

    Agora, quando você pede a opinião dos dirigentes, isso fica por conta deles. Fico esperando manifestações.

    Saravá,

    Camila

    ResponderExcluir
  14. Pai Beco, muito obrigada pelo apoio e pelas palavras. Gostei da sugestão de que as pessoas se identifiquem.

    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  15. Camila
    parabéns pelas respostas maduras.
    Madrinha
    Como sempre respostas diretas e certeiras.
    abraços e axé
    Sidney Oliveira

    ResponderExcluir
  16. Pra mim a principal função de um Terreiro de Umbanda é abrir um ponto luz na espiritualidade.
    Axé

    ResponderExcluir
  17. O que seria a "gira de desenvolvimento"?

    ResponderExcluir
  18. Lucas,

    gira de desenvolvimento é a gira sem assistência, na qual são explicadas técnicas de incorporação e corrigidos os erros dos médiuns, como por exemplo o médium que incorpora o Exu com pé e mão tortos.
    Nem todos os terreiros fazem, mas aqui no TPM é comum.

    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  19. Pai Béco de Oxóssi ( quinta )1 de outubro de 2010 19:16

    Aline e Rogério,
    Provocado pela Camila vou dar a minha opinião:
    O que muda quando estamos no terreiro e fora dele? Muda o nosso comportamento pelo estado de espírito e pelas intenções. Quando vamos ao terreiro nos carregamos de fé, virtudes e boas intenções. No dia a dia nos despojamos destas qualidades e vamos para o embate, ok? Não! podemos nos comportar, exatamente, da mesma forma, desde que este seja o nosso propósito. Devemos, para que isto aconteça, nos focar na religião que escolhemos, pois somos umbandistas 24 horas. Os nossos guias nos acompanham tempo integral. Pense neles. Recorra a eles sempre que encontrar dificuldades. Analise a situação para ver onde está o erro que, com certeza, virá uma intuição te mostrar o caminho certo e a solução.Com fé em Zambi e amor no coração nada nos derruba. É difícil mas dá certo. Pai Béco de Oxóssi ( bequinho, Camilinha. Viu! )

    ResponderExcluir
  20. Mucuiu Pai Beco!!

    Obrigada pelas sabias palavras.
    Estive pensando depois de ler e cheguei à conclusao que o medo é o meu maior entrave para ser feliz. O fato de viver longe fisicamente do Terreiro sempre me deixa insegura, como se estivesse perdendo algo importaante todos os dias.
    Certamente se vivesse na epoca de Jesus, Ele me diria: "Caminha criatura de pouca fé."
    Entao é isso pai Beco, preciso acreditar que nossas maravilhosas Entidades estao sempre junto comigo, na Bahia ou Curitiba...
    Beijos e muitas saudades!
    Aline

    ResponderExcluir
  21. Olá a todos,
    fazem 2 meses mais ou menos que frenquento semanalmente o terreiro, vou nas segundas e nas quintas-feiras, no começo minhas mãos suavam muito, ficava enjoado, tremia bastante, agora nem tanto, fico as vezes com uma leve dor de cabeça. Isso é normal? Tenho pensado muito em entrar pra gira, frequentei três anos um centro kardecista, e outras seitas, como seicho-no-ie e Santo Daime, quando conheci a religião Umbanda me encantei, tive vontade de preencher minha ficha, fazer o curso e entar imediatamente para gira. Será que isso é apenas um encantamento inicial? Qualquer pessoa tem capacidade espiritual para entrar e contribuir numa gira? Estou a um passo de pedir para entrar mas ainda temo pela minha capacidade. Até que ponto um ser humano cheio de erros, carregado de dúvidas e com sentimentos nem sempre tão bons pode ajudar o outro?
    Um grande abraço a todos!

    ResponderExcluir
  22. Pai Béco de Oxóssi ( quinta )5 de outubro de 2010 19:37

    Aline,
    fico muito feliz se te ajudei em alguma coisa. Sei que você mora num lindo lugar, que pretendo um dia conhecer, onde tem muitos pontos de energias da natureza. Vá até eles e receba as bençãos dos Orixás. Recebendo estas energias estará, também, renovando a fé. Beijos para vocês.Axé! Pai Béco de Oxóssi.

    ResponderExcluir
  23. Mucuiu Pai Beco!!!
    Receberei o senhor com alegria se resolver conhecer Morro!
    Um grande abraço,
    Aline

    ResponderExcluir
  24. Saravaa a todos!!
    Camilinha axé!!

    Lendo o texto do Robson, começei a lembrar da minha primeira gira...
    Acho que a Espiritualidade tem o caminho apropriado para cada um de nos entrarmos em contacto.
    Na primeira vez que estive no Terreiro do Pai Maneco ja cai de para quedas na gira. Nem tive tempo para pensar!rsrsrs...
    Ja o Robson teve o seu tempo proprio para refletir...enfim, cada um de nos tem sua historia dos caminhos percorridos.
    Cheguei a conclusao que no meu caso o tratamento de choque foi essencial, justo para nao cair nos velhos erros e assim ter a chance de conhecer a minha religiao.
    Ogum veio me buscar dentro de casa, numa ilha da Bahia, para conhecer a Umbanda, atraves de um medim do Curitibano.
    Somente lamento nao poder frequentar as giras como gostaria. Mas tudo esta muito bem traçado.
    Avante filhos de fé!
    Aline

    ResponderExcluir
  25. Boa Noite ! Gostaria se possivel de tirar algumas duvidas sobre a umbanda.
    Iniciei meu desenvolvimento em um Terreiro,porém meu coração se sentiu muito inquieto com varias situações presenciadas apos entrar na corrente.Tenho visto o Pai de Santo no final das giras totalmente bebado,pessoas na assistencia buscando uma solução para seus problemas, porém eu vendo que ao inves de aconselhar vejo que os conselhos são de "contra-atacar" os inimigos invocando pelo meu pouco entendimento "Exus de baixa vibração"(desculpe a ignorancia se não for este o termo usado).
    Estou muito preocupado pois ao buscar literatura e apronfudar no assunto, penso se não estou em um local onde na verdade são espiritos mistificadores se passando por entidades de alto grau e conhecidas.
    No meu desenvolvimento já me foi dito e na mesma hora fiquei sabendo via transporte quem era o caboclo (alias um de grande renome, vamos dizer assim ) e outras entidades e o que mais me incomodou foi eu ter sido "escolhido" por um Exu que já trabalhava na casa com outros mediuns anteriores que sairam ,assim como as outras entidades.
    Tenho sonhado a semanas com a linha de Caboclos onde "sinto" que eles querem que eu me afaste do local.
    Agradeço o esclarecimento e que Nosso Pai Oxala abençoe a todos.
    Muito Obrigado.
    Ramon.

    ResponderExcluir
  26. Ramon,

    antes de qualquer sonho, você deve pensar se realmente é o local que você gostaria de trabalhar, já que pelos teus argumentos, você não está de acordo com a filosofia do terreiro, sem a qual o trabalho torna de extrema dificuldade. O médium quando está no terreiro necessita do amparo do seu pai/mãe de santo, bem como, dos demais médiuns que ali estão, já que a gira é o resultado dessa harmonia que existe entre a corrente e o campo espiritual.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  27. Muito obrigado Camila pelos esclarecimentos. Após suas palavras tenho mais convicção do que devo buscar dentro de um terreiro e na Umbanda. Pois como sabemos , Umbanda é amor ,fraternidade,amizade ,paz e luz. E não tenho encontrado isto no local. Este amparo como vc diz ,realmente não tenho obtido, e infelizmente apenas me deparado com mediuns que alimentam sentimentos negativos.
    Gostaria que se possivel responde-se esta duvida que tenho, quanto ao desenvolvimento, como disse anteriormente , a minha maior incomodação foi ter sido "escolhido" por este Exu para trabalhar mesmo antes de iniciar a gira de desenvolvimento.
    Quando iniciamos o desenvolvimento dentro da Umbanda os guias que no futuro estaremos incorporando ,são guias ,vamos dizer assim,pré-determinados em nossas vidas desde quando nascemos,seria isto?
    E não a entidade que vive e trabalha em determinado terreiro nos escolher para trabalhar?
    Um grande abraço e Muito obrigado e muita paz.
    Ramon.

    ResponderExcluir
  28. Ramon,

    não necessariamente as pessoas são escolhidas, existem casos em que as entidades já possuem alguma relação anterior com o médium desde a infância ou até mesmo em vidas anteriores.

    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  29. Camila, gostaria que você pudesse nos esclarecer mais em relação ao uso que exu faz (ou não) das ervas. Pode não ser comum, mas é possível, certo?! Todo vegetal contém axé, a força vital, e imantados, ou ainda, posteriormente consagrados às mais diversas vibrações, podem, e muitas vezes são, utilizados como instrumentos de trabalho. Assim também são utilizados por exu: limão, azeite de dendê, cachaça, cravo, alho, pimenta, mangueira, palmeira africana, mamona,pinhão roxo, jurema preta, e muitas outras. Têm pretos-velhos que se utilizam de guiné, outros de arruda, ou só de um copo d`água... Não seria muito pretensioso de nossa parte querer limitar o trabalho de qualquer entidade? E por que Exu não pode usar erva? Baiano pode, caboclo pode, etc...?!..Em relação às ervas, ou vegetais, se estão presentes nas oferendas e nos amalás, por que não no trabalho? O médium nunca deve se preocupar com "muletas" para amparar o trabalho "da entidade", porque eles sabem o que fazem e do que precisam, inclusive plasmam facilmente qualquer coisa, mas precisamos abrir nosso mental para também não tolirmos o trabalho. Muitas vezes a parte materializada condensa, esgota, corta, cria, enfim, age servindo à espiritualidade. Magia se combate com magia. Este é inclusive um ensinamento de Pai Fernando: para interferirmos em algo precisamos da energia equivalente, que muitas vezes vai ser propiciada por um vegetal. Quem duvida do poder de um coco? Quem duvida do poder de um Exu de lei? E quem duvida de um Exu trabalhando com suporte material de um coco? Ou acaso não é comum vermos uma pombagira com uma rosa vermelha? Pombagira é exu na polaridade feminina e rosa é erva!
    Repasso a bola, Camila... é com você!
    AnauÊ!
    Vívian - Volta Redonda

    ResponderExcluir
  30. Saravá Vivian,

    talvez a resposta não tenha ficado clara, mas eu me referi ao uso de folha de bananeira. No nosso terreiro o Exu tem liberdade de usar todas as ervas que ele achar necessário. No TPM ao Exu só não é permitido levar ao toco pólvora (fundango) e materiais cortantes.

    Quanto as ervas que você mencionou são usadas em oferendas, não no toco, durante a gira, ao menos aqui no nosso terreiro. O critério e da entidade, mas quando elas precisam de elementos como esses que você se referiu, eles pedem, já que não é costumeiro o médium levar todas essas ervas para o trabalho.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  31. Boa tarde, me chamo Flavio e sou do interior do Paraná, participo de um terreiro de umbanda aqui na minha cidade, mas estou enfrentando um dilema pessoal, eu me envolvi com minha madrinha de amaci e não tenho coragem de perguntar para ninguém se isso é certo ou errado. Como o Terreiro do Pai Maneco vê esse tipo de situação?

    Agradeço desde já a ajuda. Flávio

    ResponderExcluir
  32. Flávio, procure os teus dirigentes e converse com eles. Não existe outro caminho.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  33. Eu tenho uma duvida em relação a bebida...o Exu q eu trabalho não costuma beber muito, em media um copo, um copo e meio (o copo é pequeno tipo martelinho) e a bebida tbm não é mt forte, ele toma campari, e sempre q eu desencorporo estou bem sem nenhum efeito de alcool, mas duas vezes aconteceu de ele tomar menos..mt menos meio copinho e nessas duas vezes no final da gira eu estava dopada...como se tivesse tomado uma garrafa de pinga...pq isso aconteçe?

    bjx
    Isamara (gira de Sexta)

    ResponderExcluir
  34. Isamara, se vc não tem necessidade de beber para trabalhar não beba.

    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  35. Oi Camila...desculpe mas não entendi a tua resposta...

    bjx

    ResponderExcluir
  36. À primeira postagem:

    Acho que as duas coisas! Primeiramente se está desenvolvendo a mediunidade, ou aprimorando. Em segundo lugar, as duas coisas juntas. Enquanto se aprende está ajudando.

    Quanto a assistência, é fundamental. "Imagine estudar engenharia e trabalhar com recursos humanos".Se praticamos o aprendizado é porque somos. Se não exercemos o título é porque não aprendemos.

    E, quanto ao dia-a-dia, com certeza, nos corrige a maneira de pensar e ver as coisas. Aplicando o que aprendemos e colhendo o que plantamos, da forma que semeamos.

    Axé.

    ResponderExcluir
  37. Isamara,

    Na realidade os espíritos não precisam de bebida mas se lhe oferecem eles bebem (inclusive, muito em alguns casos). Se não esta te fazendo bem, deixe a bebida no ponto.

    Esclareci tua pergunta??

    Sarava,
    Camila

    ResponderExcluir
  38. Camila,

    Sou de Rio Branco/Acre. Gostaria muito de conhecer o terreiro do Pai Maneco. Trabalho no serviço público e teria que conciliar minhas férias. Vocês entram de férias? qual seria o melhor período. Poderei participar das giras assim que chegar? sou médium iniciante. Qual seria o hotel mais próximo ao terreiro? Teria como conversar com seu Fernando particularmente?
    Aguardo retorno.


    Um grande abraço querida.


    Glads

    ResponderExcluir
  39. Glads, nosso recesso começa em dezembro e vai até a primeira semana de janeiro. Será um prazer recebe-la aqui.
    Quanto as demais perguntas, sugiro que você planeje a sua vinda e daí vamos conversando, que tal?
    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir