Assine aqui para receber atualizações deste blog

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

CARTA DA PRISCILA

A Priscila postou esse texto:

Meu nome é Priscila faço parte da corrente de sexta-feira. Tenho passado por momentos difíceis. Moro a 140 Km de Curitiba. Ando muito distante do terreiro e isso me deixa muito triste, pois cada vez que volto muito carregada e sempre sinto a presença de coisas negativas ao meu redor. Parece que depois que me tornei umbandista as pessoas mesmo sem saber da minha religião vêm e me falam sobre varias coisas relacionadas a magia negra, obsessões, macumba etc. Fico com varias duvidas pois apos escutá-las torna-se muito difícil não me envolver na negatividade. Vivo em Doutor Ulisses sou cabeleireira e não posso deixar de ouvi-las. O mais incrível é que isso se tornou mais frequente depois que eu comecei a desenvolver a mediunidade. Minha pergunta é a seguinte: é possível espíritos terrenos que acompanham essas pessoas venham ate mim para me confundir, pedir ajuda ou coisa assim, pois mantenho minha religião quase que em segredo porque aqui ha muito preconceito e posso afirmar que sou a primeira Umbandista da cidade. Se eu mantenho isso em segredo porque essas pessoas vêm ate mim com esses desabafos? Sei que estou na Umbanda para esclarecer, aprender e desenvolver, mas esses tipos de acontecimentos me deixam com medo. O que devo fazer para não adquirir tanta negatividade?

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

ANIMISMO

O Jucemar Ferreira sugeriu que eu escrevesse sobre o animismo.

Animismo é quando o médium fica tomado sob o domínio de seu próprio espírito sem a interferência de um desencarnado. Esse termo é comum, mas o fenômeno não, por isso ele é muito mal explicado e erroneamente usado. No caso do animismo não existe má fé. Ao contrário, o médium acredita que está incorporado com uma entidade. Pela sua raridade, não vejo animismo como problema mediúnico. Prefiro discutir a mistificação, ou seja, as incorporações falsas, de má fé, com a intenção de iludir os outros. Ela pode ser feita pelo médium, que dá a entender que está incorporado e fala por sua própria consciência, ou pelo espírito, que finge sua identidade. Quando é o espírito o mistificador, o médium fica sob seu domínio e não sabe que o espírito está mentindo. Essas duas situações de mistificação podem desencadear uma discussão para editar um livro inteiro. Quando o terreiro tem firmeza essas coisas logo são descobertas e contornadas pelos dirigentes. O que tem que ficar bem claro é ser comum o médium pensar que é ele quem está falando e não o espírito.

FRASES SOLTAS

Do Rubem Alves: "quem inventou o alfabeto era analfabeto".

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

PARA ILUSTRAR


Estou publicando uma foto da imagem do Caboclo da Pantera que se vende nas casas de Umbanda.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

CABOCLO DA PANTERA

A Patricia Sabatin pediu que eu escrevesse algo sobre a atuação do Caboclo da Pantera, porque são chamadas panteras e qual o resultado.
As entidades da falange do Caboclo da Pantera se apresentam com um capuz feito de pele de um animal- panteras, carregam como arma um osso com uma garra na ponta, são arredios, não gostam de falar, dar consultas, beber ou fumar. Trabalham muito dentro dos ambientes astrais que são escuros e de baixa vibração, porque é onde os espíritos maus se escondem. Claro que vão em busca desses espíritos perdidos para encaminhá-los aos lugares de recuperação espiritual. São subordinados a Ogum Naruê. Apesar de todo aspecto, são entidades que trabalham em favor da Umbanda. Quando incorporam no terreiro apresentam-se de uma forma como se fossem animais, agachados e arranhando o chão, mas na verdade estão destruindo energias negativas. Isso não quer dizer que não possam trabalhar também de forma ereta. Durante a incorporação têm um grave defeito: deixam os seus cavalos, algumas vezes, com sensação de babar. Isso deve ser corrigido pelo médium.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

UMBANDA PÉS NO CHÃO

Recebi do Sydnei Oliveira: se for pertinente você poderia falar da Umbanda Pés no Chão?

Desde agosto de 2003 eu falo da Umbanda Pés no Chão, porque não gosto que ninguém crie fantasias em torno de uma religião tão bonita. O Pai Maneco diz que tudo tem que ter uma lógica, mesmo o espiritismo considerado por alguns como ilógico. Existe sempre um processo natural em todos os acontecimentos espirituais. Não gosto de olhar para as alturas sem nada enxergar. Prefiro olhar para o chão para aprender como posso ter uma ligação com a espiritualidade.

Pés no chão é crer em Deus. Fantasia é explicar o que é Deus.

Pés no chão é saber que os exus são bons. Fantasia é dizer quantos exus existem no espaço e que todos são maus e encrenqueiros, mas que no fim, tudo acaba bem.

Pés no chão é saber que a magia é praticada pelo espírito. Fantasia é querer ser mago.

Pés no chão é saber que os espíritos nos dão assistência. Fantasia é crer que os espíritos obedecem nossas ordens.

Pés no chão é crer em Jesus. Fantasia é pensar que ele é só teu.

Pés no chão é crer na Umbanda. Fantasia é pensar que ela pode ser manipulada em teu favor.

Pés no chão é saber que sempre alguém é melhor ou pior que você. Fantasia é achar que os outros são ruins e só você é bom.

Umbanda é a religião nascida do povo brasileiro para atenuar seu sofrimento e que não pode sobreviver dentro da mentira, arrogância e fantasia. Por isso escrevi essa pequena lista fazendo um convite para que todos façam observações semelhantes. Quando juntarmos um punhado delas, vamos organizá-las e publicá-las no site do terreiro. Será o inicio da participação do povo opinando no espaço do Terreiro do Pai Maneco.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Foto da Lucilia Guimarães



Não vale a pena lutar para conservar o planeta assim? Essa tarefa também faz parte da Umbanda.

A UMBANDA É MAGIA

ESCLARECENDO

Como curiosidade já li em vários sites e jornais da Umbanda uma mensagem intitulada Magia da Umbanda, e dão como autor desconhecido. Para todos saberem essa mensagem foi deixada no dia 5 de Outubro de 1998, pelo Caboclo Junco Verde a quem tenho a honra de servir como médium. Posteriormente resolvi até mesmo comentar a intenção do texto dentro daquilo que a minha consciência durante a incorporação conseguiu captar, inserido em nosso site www.paimaneco.org.br na seção “Mensagens”.

A UMBANDA É MAGIA

Caboclo Junco Verde, em 5/10/1998


Magia do marafo
Magia da fumaça
Magia do som
Magia do movimento
O marafo atrai
A fumaça defuma
O som harmoniza
E o movimento vibra

Umbanda é magia
Magia da guia
Magia do ponto riscado
Magia do ponteiro
A guia protege
A pemba ordena
O ponteiro firma

Umbanda é magia
Magia da Oxalá
Magia de Ogum
Magia de Oxossi
Magia de Xangô
Oxalá é amor
Ogum é a força
Oxossi é a vida
Xangô é o equilíbrio, a justiça

Umbanda é magia
Magia de Iemanjá
Magia de Oxum
Magia de Iansã
Iemanjá é a criação
Oxum é o equilíbrio
Iansã é a guerreira

Umbanda é magia
Magia do terreiro
Magia da hierarquia
Magia da corrente
O terreiro é a casa
A hierarquia é a ordem
A corrente a força

Umbanda é magia
Magia do caboclo
Magia do preto-velho
Magia da criança
O caboclo é a força
O preto-velho é a humildade
A criança a inocência

Umbanda é magia
Magia do exu
Exu é o equilíbrio de tudo

Saravá a magia da umbanda!

domingo, 15 de fevereiro de 2009

FUNDANGO

Emanações miasmáticas são comuns nos homens, mesmo naqueles que têm a proteção dos espíritos. São fraquezas humanas, desvios do temperamento e até mesmo a aproximação de entidades de baixa vibração. Tudo isso se acumula no perispirito e, tal e qual um motor sujo, emperram a circulação livre dos campos vibratórios de nossa aura, provocando reações negativas dentro do nosso corpo espiritual e também físico. Dores circulantes na cabeça, pescoço, braços, joelhos e principalmente na base da coluna. Esses sintomas são freqüentemente confundidos com aproximação de entidades negativas ou, se quiserem, os obsessores. Enquanto esses miasmas não forem eliminados nosso corpo ficará cada vez mais fraco. Seria como uma planta em um vaso sem água. Vai definhando cada vez mais. Para essa limpeza existem várias maneiras, desde banhos, contato com as matas, rios, cachoeiras, mar e todos os lugares naturais que nos encantam e estão purificados pela própria ausência do homem. Mas o tratamento mais rápido e adequado para eliminação quase imediata é o uso da pólvora ou fundango, como na Umbanda ela é conhecida. A explosão em volta da pessoa tem o efeito de fazer uma explosão vibratória sacudindo o perispirito e fazendo a limpeza da aura com a eliminação desses detritos espirituais. Só que isso deve ser feito sempre pela entidade dirigente do terreiro e assim mesmo com muito cuidado para não acontecer um acidente desagradável.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O GRANDE DIVALDO PISOU FEIO

Recebi um e-mail do Rafael Marcondes com o seguinte texto:

DE DIVALDO PEREIRA FRANCO "... Na cultura brasileira, remanescente do africanismo, há uma postura muito pieguista, que é a do preto velho. E muitas pessoas acham que é sintoma de boa mediunidade ser intrumento de preto velho. Quando lhe explicamos que não há pretos velhos, nem brancos velhos, que todos são Espíritos, ficam muito magoadas, dizendo que nós, espíritas, não gostamos de pretos velhos. E lhes explicamos que não é o gostar ou não gostar. Se tivessem lido em O Livro dos Médiuns, O Laboratório do Mundo Espiritual, saberiam que se a entidade mantém determinadas características do mundo físico, é porque se trata de um ser atrasado. Imagine o Espírito que manquejava na Terra, porque teve uma perna amputada, ter de aparecer somente com a perna amputada. Ele pode aparecer conforme queira, para fazer-se identificar, não que seja o seu estado espiritual. Quando, ao retornar à Pátria da Verdade, com os conhecimentos das suas múltiplas reencarnações anteriores, pode apresentar-se conforme lhe aprouver.Então, a questão do preto velho é um fenômeno de natureza animista africanista, de natureza piegas. Porque nós achamos que o fato de ter sido preto e velho, tem que ser Espírito bom, e não é. Pois houve muito preto velho escravo que era mau, tão cruel quanto o branco, insidioso e venal. E também houve e há muito branco velho que é venal, é indigno e corrompido. O fato de ter sido branco ou preto não quer dizer que seja um Espírito bom.Cabe ao médium ter cuidado com esses atavismos, e quando esses Espíritos vierem falando errado, ou mantendo os cacoetes característicos das reencarnações passadas, aclarar-lhes quanto à desnecessidade disso. Porque se em verdade, o preto velho quer falar em nagô, que fale em nagô, mas que não fale um enrolado que não é coisa nenhuma. Ou, se a entidade foi alemã na Terra e não logre falar o idioma do médium, que fale alemão, mas que não fale um falso alemão para impressionar. O médium só poderá falar o idioma no qual ele já reencarnou em alguma experiência passada.Desde que não há milagres nem sobrenatural, o médium é um instrumento. Sendo a mediunidade um fenômeno orgânico, o Espírito desencarnado vai utilizar o que encontre arquivado no psiquismo do médium, para que isto venha à baila." O trecho acima é extrato de um ensaio do médium espírita Divaldo Pereira Franco, que tem como título "Consciência" .

Resposta:

O Pai Maneco diz que humildade é não julgar os outros, entretanto o médium e conferencista Divaldo Pereira Franco julgou com muita prepotência a figura da maravilhosa entidade da Umbanda, o preto-velho, marca da religião e por todos nós amado. Nunca gostei do padre Quevedo pela sua mania de querer desmoralizar o espiritismo. Não entendia qual a razão dessa intromissão no espiritismo. Conclui que o espiritismo estava crescendo e isso aborrecia o padre. Lamento que uma figura tão importante no espiritismo tenha procedido da mesma forma. Como antes, estou agora sem entender a razão desses comentários. Talvez porque a Umbanda esteja crescendo na sociedade brasileira.

O médium, ao contrário do que diz o Divaldo, é um parceiro do espírito comunicante. Essa mistura é que às vezes faz a terceira força criada pelos espíritos do médium e do comunicante misturar os idiomas.

Lamentável a forma grosseira que o até então respeitoso médium usou para achincalhar uma religião nova e brasileira com fundamentos próprios e ditados por pessoas nascidas no Brasil.

Não vou criticar o conferencista kardecista, mas nesses momentos é que sinto a falta do Chico Xavier, o maior médium do espiritismo tradicional e o grande Gerador da Caridade e Humildade do Mundo Espiritual.

FRASES SOLTAS

Do Caboclo Akuan: “Amar o inimigo é fácil, ele está longe. Difícil é ser tolerante com o amigo que está sempre ao lado.”

CURIOSIDADE

A vidência dos animais é um tema interessante. Muitos pensam que os cães quando demonstram medo por uma visão estão acuados por entidades maldosas. Ao contrário, se forem entidades maldosas os cães tentarão agredi-las. O que assusta o cão é a luz, a luz dos guias e dos espíritos iluminados. Como gosto do tema que fala de espíritos e animais, inauguro meu blog pinçando uma curiosidade relacionada com ambos.