Assine aqui para receber atualizações deste blog

sábado, 12 de fevereiro de 2011

ENQUETE

Pessoal, deixem registradas suas opiniões. Vamos responder a enquete:
O que você espera dos Dirigentes do Terreiro que você faz parte? A Mãe ou Pai de Santo são abertos aos filhos da corrente? E os Capitães?

Axé,
Camila

17 comentários:

  1. q me ajude durante a gira e seje atento ao q acontece. tb quero q me atenda qdo estou com problema espiritual.
    tive outro lugar q ia e o pai de santo só podia me atender 2 semanas depois do que eu queria, fiquei sofrendo esse tempo. ele nao tinha meio de comunicacao como blog, email,nada, so indo no templo dele.
    os capitaes tem a funcao só de cuidar da gira?
    isso que eu quiria sabe.
    joão marcelo/SP

    ResponderExcluir
  2. João Marcelo,

    Isso que você falou de atender quando esta com problema espiritual é importante Porque os médiuns tem que tirar suas duvidas com seus dirigentes.
    Quanto aos capitães,justamente a função é cuidar do desenvolvimento das giras e cuidar das incorporações dos médiuns.


    Saravá,
    Camila

    ResponderExcluir
  3. Anônimo, se identifique por favor, para que eu possa colocar o teu comentário.

    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  4. Mucuiu Mão Lucilia, Mãe Camila e Thiago,

    penso que sempre esperamos mais das pessoas do que elas podem nos oferecer e acabamos sobrecarregando-as com cobranças.
    O que eu espero das dirigentes do Terreiro? espero que mantenham a casa organizada, que sejam vigilantes para que os trabalhos sempre transcorram bem, espero que sejam o "norte" a ser seguido, o farol que nos guia pelo complexo caminho da Umbanda. O que dizer do Bitty...ele é maravilhoso, um pai de santo muito especial, sempre pronto a ajudar os filhos de corrente, sempre disposto a ajudar, a dar um abraço, uma palavra amiga, um conselho de pai, enfim, Pai Bitty é uma grande luz para seus filhos de santo. Eu adoro os capitães da gira de sábado, são atentos a tudo o que acontece, estão sempre por perto para nos ajudar, cuidam com carinho de todos os membros da corrente, então penso que eles atendem as expectativas de todos. Nenhum deles se furta ao dever de cuidar e orientar os médiuns durante a gira.
    beijos
    Lili

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite!
    Me chamo Paulo Koury, por acaso após um oração em minha residencia achei este blog.

    Estou aqui para tirar duvidas que está dentro de minha cabeças a anos, por gentileza desde de novo que eu sinto vibrações sejam elas negativas ou positivas ao meu redor, me sinto de vez em quando triste, muito triste, choroso, por qualquer coisa eu choro, não consigo me segurar. Hoje a noite mesmo estava com a minha mãe em meu quarto, enquanto ela ficava no computador eu deitado em minha cama com os olhos fixados na sala logo a frente, me senti um pouco nervoso naquela postura, tentando visualizar algo que eu estava sentindo, dai entao deu vontade de pegar o evangelho de allan kardec, e fiz uma prece aos necessitados, do nada me deu esta vontade e a angustia que eu estava sentindo passou de dentro de mim. gostaria de uma ajuda de todos, como eu posso desenvolver isto que esta guardado dentro de mim para ajudar a quem é necessitado de minha ajuda?
    Desde de já agradeço a todos
    Boa Noite!

    ResponderExcluir
  6. karine Carolina Reginato Rodrigues15 de fevereiro de 2011 16:24

    Olá Camila!
    O que eu espero dos Dirigentes do Terreiro que você faço parte? A Mãe ou Pai de Santo são abertos aos filhos da corrente? E os Capitães?

    Pois bem, ao ler a enquete a primeira questão que me ocorreu foi: como filha, espero do pai de santo ou mãe de santo exatamente àquilo que espero de meu pai e mãe terrenos. Estranho isso? Explico: um pai ou uma mãe, aguardam a chegada de seu bebê, com uma série de boas expectativas em relação àquele filho, e com muito amor contróem uma relação de afeto única e especial com cada filho. Trata-se de um verdadeiro vínculo de amor, cercado de cuidados, de orientações, de carinho. Ocorre que cada filho é único e traz consigo a liberdade de agir conforme seus pensamentos e sentimentos, o que por vezes, pode contrariar as orientações de seus pais, entretanto, é um momento necessário para seu desenvolvimento como pessoa. E assim, após tropeços e alguns enganos, certos do apoio de seus pais, retornam à eles para compartilhar suas conquistas e dissabores cotidianos, afinal, só no aconhego e no acalento fraterno há segurança para tal exposição.
    E assim, na minha singela opinião, o é com a relação entre os filhos, pais e mães de Santos. É preciso um tempo,para maturar este envolvimento. Somos sim bem recebidos. Nossos dirigentes são abertos, mas nossos vínculos estão sendo construídos diariamente, numa relação de respeito, amor e afeto que nunca cessa mas que exige um tempo. Este tempo é período necessário para (re)conhecermos uns aos outros. Apenas isso. Compreendida as peculiaridades de cada um, não há o que falar de abertura ou falta dela.
    Axé,
    Karine Carolina Reginato Rodrigues

    ResponderExcluir
  7. Olá, Mãe Lucilia, Thiago e Camila!

    No meu entender, espero ser respeitada tanto quanto o respeito me é cobrado, pois sem o devido respeito não haverá amor, confiança e por consequência, não haverá evolução.
    Considero importante que os dirigentes ( não só eles, mas toda a estrutura de um Templo, desde o médium mais novo até o dirigente.)procurem se conhecer e se reconhecerem mutuamente, pois vejo um distanciamento entre irmão que enfraquece toda a estrutura material e a corrente espiritual.
    Esse "nem te ligo" que tanto dizem que é para auto-proteção, como se fosse normal esperar que irmãos venham a se trair. Isso é horrível, e denigre a imagem da Sagrada Umbanda!
    Eu levei 13 anos, após receber o chamado de minha Mãe, para entrar numa gira. Dez de estudos teóricos sobre a Umbanda, e três para vencer minha resistência.
    Nunca participara de uma gira em todo esse tempo. Contudo cheguei à Casa de meu Pai conhecendo toda a minha Linha de Força e, para quê fui chamada. Entrei por um amor imenso, e a harmonia com minhas Forças é de levar às lágrimas [e leva], de tanta alegria, na verdade de êxtase. Contudo, no dia-a-dia vejo muita falta de respeito, de amor e àquilo que é a base da religião; caridade. E digo, se chorei de êxtase com Orixás e Guias, já chorei de tristeza com os irmãos também.
    Sinto que falta a verdadeira irmandade. Talvez devessemos repensar sobre o verdadeiro sentido de se ser Dirigente, orientador, capitão ou qualquer outro nome de comando.
    A Umbanda é A LUZ DA CARIDADE, e caridade começa entre irmãos, Pais/Mães e filhos!
    Para finalizar, espero verdadeiro amor e união, e que, não se confunda liberdade com desinteresse e individualismo. Sem união, não há força! E o Caboclo das Sete Encruzilhadas disse que aprenderíamos com os que sabem mais, e aos que sabem menos ensinaríamos, mas a ninguém renegaríamos.
    Que Ele envie Sua Falange para nos orientar!

    Que Oxalá abençoe a todos!

    ResponderExcluir
  8. Muita dedicação com seus filhos.

    ResponderExcluir
  9. Meru Sâmi, muito boa tua colocação.

    No meu ponto de vista, existem pessoas que não estão na religião por fé, mas por necessidade e quando são curadas, automaticamente se excluem dos terreiros, acredito que isso também faça parte do nosso papel, ajudar aqueles que estão perdidos, sem fé, sem amor.

    Vou complementar a frase do Caboclo Sete Encruzilhadas com a do Pai Maneco: a porta do terreiro estará sempre aberta. E é isso mesmo, entre lágrimas e sorrisos, vamos ajudar a quem precisa e à nós mesmos, através da fé, cura, amor e caridade.

    Saravá!
    Camila.

    ResponderExcluir
  10. Concordo plenamente Karine, realmente cada pessoa vem de uma cultura, com uma historia, um motivo para estar ali dentro. A comunicação dos médiuns com os dirigentes facilita essa relação, do mesmo modo que os pais devem conversar com os filhos. Quando fiz essa enquete era realmente para deixar aberto o espaço para saber se há essa relação da corrente com o pessoal do meio (deixando o termo hierarquia de lado, já que a filosofia do terreiro é de que não há hierarquia).

    A comunicação é outro aspecto fundamental para o desenvolvimento dos médiuns, sem ela, impossível que se transmita e adquira conhecimento.

    Se não existir comunicação, impossível existir relação, a qual impossibilita a prática da Umbanda.

    Axé,
    Camila.

    ResponderExcluir
  11. Paulo Koury,

    você pratica algum tipo de caridade? Senti que a tua necessidade em ajudar os outros está muito travada dentro de você, talvez seja bacana você desenvolver isso. Se você puder ir em algum terreiro para começar a ajudar de alguma maneira aos outros. Isso também fará com que você veja se tem vontade de desenvolver o teu lado espiritual.

    Aos pouquinhos você vai conseguindo achar um caminho que te faça bem, que solte isso que está dentro de você.

    Vamos nos falando por aqui, quero saber da tua evolução.

    Axé,
    Camila.

    ResponderExcluir
  12. Bom, o que eu Nathalia espero, provavelmente se diferencia em partes do que a maioria espera ou o que é tido como o "dever ser". Mas ai vai minha opiniao:
    Ser dirigente ao meu ver, a princípio é um título e como me disse um caboclo em certa oportunidade:
    "Ter a "condecoração" não faz ninguém melhor, é coisa aqui da terra, para nós espíritos isso é indiferente. Mas tudo tem sua responsabilidade!"
    Além disso, vejo que ser da "hierarquia", é algo além de decisoes terrestres, ao meu ver seria uma missão dada pela espiritualidade e estaria como que "marcado" nas pessoas que tem que cumprir com isso...
    Com base nisso, a primeira coisa que espero de um dirigente é a humildade para ajudar seus filhos em suas necessidades.
    Vejo o dirigente como responsável nao somente pela palavra final em algumas decisões, sempre com base nas orientaçoes espirituais de seus "guias", como também responsável por contribuir com a evolução de cada um dos filhos da corrente, ajudando em suas necessidades da vida (no que lhe é possível obviamente) e contribuindo para o crescimento e aprendizado na umbanda.
    Sem contar as pessoas que buscam o pai/mãe de santo para ajuda, o que vejo como algo especial, essencial e sem dúvida algo que requer paciencia e muita força!
    Abertura para diálogo, dúvidas, explicaçoes, orientaçoes e principalmente ajuda em momentos necessários, mesmo que fora da gira se algo extremo, creio que seja básico e nao imagino um dirigente com pensamento diferente, ou ao meu ver, melhor que nao fosse!
    Os capitães vejo como responsaveis não somente pela organização da gira, mas vejo como o ponto de apoio do médium da corrente. Deveria ser alguém próximo da corrente, que tenha conhecimento básico, que chega bate papo antes da gira, se faz conhcer e está ali para ajudar, passando segurança.
    Deve ser alguém que observa cada uma das pessoas, que incentiva a manter a vibraçao, ajuda os que tem dificuldade nas incorporaçoes e principalmente alguém que esteja disposto a trabalhar, correr atrás mesmo que deixando muitas vezes de trabalhar incorporado para contribuir com o andamento da gira e o desenvolvimento dos médiuns.
    Todo ser humano tem momentos melhores ou piores... Já senti ausência desses aspectos que mencionei, em outras vezes já me senti extremamente acolhida...
    Isso é o que eu penso!

    ResponderExcluir
  13. Anônimo que fez pergunta sobre Caboclo, favor se identificar para eu saber com quem estou falando e responder.
    Obrigada,
    Camila

    ResponderExcluir
  14. Saravá Camila,
    Creio que a primeira pergunta da enquete: “O que você espera dos Dirigentes do Terreiro que você faz parte?” é tão ampla, que tornará muitas respostas insuficientes para chegarmos a um consenso ou conclusão.
    Percebo que eu e muitos esperamos que eles nos conduzam e nos amparem, defendam e pratiquem os fundamentos da Umbanda, sejam capazes de instruir e ajudar a resolver todas as questões que surgem. Que ajam com segurança, humildade, sob a orientação das entidades e com respeito e amor por cada filho.
    Isto é um ideal.
    Penso que considerando a quantidade de médiuns existentes em cada gira, as responsabilidades de cada dirigente, de todos os Pais e Mães de Santo do TPM, especialmente do Pai Fernando e da Mãe Lucília, há uma impossibilidade de satisfazer as expectativas que existem em muitos médiuns e de adeptos da assistência. Não há tempo disponível e no tempo que cada um espera.
    Talvez seja um momento para reflexão, pois sempre podemos melhorar.
    A minha reflexão me leva a pensar que os médiuns mais antigos e que não são da hierarquia deveriam ser convocados para ajudar na instrução dos mais novos, para amparar as pessoas que chegam ao TPM pela primeira vez, para selecionar as situações que necessitam da intervenção da hierarquia.
    Penso, ainda, que deveria haver todo mês mais giras de desenvolvimento, além de reuniões com a participação de todos os médiuns de todas as giras e todos os dirigentes, vestidos de branco, pelo menos uma vez a cada período de 60 ou 90 dias, para instrução, informação e convivência. Para tratarmos dos fundamentos da Umbanda como: humildade, caridade, para cantarmos os pontos juntos, para interagirmos em um trabalho com todos os irmãos de fé e muito mais.
    Tenho convicção que um evento assim revelaria muitas boas ideias e que muitas divergências e dificuldades que podem aparecer nesta enquete seriam resolvidas.
    Quanto à abertura dos Pais e Mães de Santo, assim como dos Capitães do TPM, não encontrei dificuldades. Contudo, nunca tive receio de procurar e perguntar, bem como por maior que seja minha ansiedade por uma resposta, não sou de desistir facilmente.
    Axé,
    Paulo Braz

    ResponderExcluir
  15. Essa enquete, fala do meu momento agora....
    Eu freguentei um centro 2 anos seguidos, cheguei a ter amizade estreita com os donos do terreiro, um dia resolvi entrar para desenvolver e tive muitas decepções, pois começaram uma certa pressão em cima de mim, para adiantar meu desenvolvimento, pois eu não conseguia ''receber''. Resolvi sair, ficou um clima estranho, mais tudo bem. Derrepente começaram a entrar mediuns novos na casa, eu nesta epoca voltei para assistencia, um dia passei em uns desses mediuns novos e o 'cabloco'', me passou uma consulta que não tinha nada a ver com o que eu estava passando, tipo eu estava gravida e com problemas de aceitação da gravidez devido minha situação financeira estar ruim, e o ''cabloco'', disse que meu marido estava me judiando e que eu tinha que me separar dele! Sendo que meu casamento estava otimo!!!

    Enfim, sai do centro e fui em busca de outros, meu arrependimento, encontrei centros que Ogum falava e dava consulta,e o pai da casa não sabia se era cabloco ou Ogum que estava dando consulta...aff

    Um me chamou mais a atenção, o Exu sentava em uma cadeira, e cruzavas as pernas como ''patrão'', outro exu estava aprendendo a passar musicas no celular e estalava os dedos, um circo mesmo. Minha amiga passou em uma gira de baiano neste mesmo centro a procura de emprego, e o baiano olhou para o cambono e disse:
    -Adivinha do que ela precisa?
    O cambono respondeu....
    -A já sei terapia!
    O baiano riu e disse isso mesmo passa seu telefone para ela!
    O combono passou o telefone, no outro dia minha amiga ligou e ela disse, vamos marcar para nos encontrar e eu te falo quanto eu cobro para te ajudar!!!

    É dificil amigos, eu sinto falta do centro aonde eu frequentava,os dirigentes da casa não deixam os mediuns a vontade para tirar duvidas,acham que a mistificação faz parte do desenvolvimento e aceita qualquer um para trabalhar,o dirigente quer medium, não importa como!

    Assim fica dificil.....Eu queria muito encontrar um centro legal, serio, sem mistifiações e baderna, um que eu possa trabalhar e ter meu tempo pessoal para desenvolver, sem pressão, aonde eu possa tirar minhas duvidas sem ser julgadas...Mais é complicado, acho que impossivel.

    ResponderExcluir
  16. Infelizmente existem alguns Terreiros assim, mas fique certa que hoje a maioria do Terreiros de Umbanda, onde nada se cobra e sem sacrificio animal, são de excelente qualidade. É só procurar.
    Axé,
    Camila

    ResponderExcluir
  17. Na minha gira meu dirigente tem a cabeça aberta sim. Ele pode até "quicar", como se diz na gíria, mas ele houve o que temos pra dizer, e responde, lá do jeito dele, mas responde. O que eu espero dele é um pouco mais de paciência e organização no dia da gira, já que ele é muito solicitado e quer ajudar todo mundo e o horário é apertado, e ele acaba não conseguindo fazer isso direito acabando por acontecer falha nos atendimentos. Já os capitães na sua maioria são legais, um ou outro se perde nos cuidados aos irmãos, mas eu acho que isso acontece por que eles tem receio demais, acho que se eles tivesse mais preparo, teriam mais coragem e perderiam isso. Por ex. as vezes um neófito sente-se mal na corrente e alguns capitães não sabem o que fazer. (Sandra Estrella - Gira de terça)- Desculpe a sinceridade.

    ResponderExcluir