Assine aqui para receber atualizações deste blog

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

UM CAPITULO PARA COMENTÁRIOS

Aproveitando uma sugestão no blog, estou postando um capitulo do meu livro Grifos do Passado para apreciação e comentários. Fiquem à vontade para suas criticas e duvidas. La vai:


"CAPITULO 6

TERCEIRA ENERGIA

O Domingos era um membro da corrente. Gordo, brincalhão e alegre, era muito querido por todos. Dizia coisas desconexas. Falando sobre preparação espiritual dos médiuns, deixou escapar uma das suas marcantes falas:

- A gente lê, estuda e aprende. Quando vem o espírito, ele faz o que quer, não adiantando nada o que se aprendeu.

O pai-de-santo fechou a cara, demonstrando sua indignação pelo comentário do festejado gordo, principalmente por contradizer tudo aquilo que ele pregava. O Ferro costumava berrar, gritar, reclamar por tudo, mas tinha um coração imenso. Toda aquela postura era mentirosa. Mas, filho de Ogum não deixava as coisas para depois. Interrompeu e vociferou:

- Domingos, você é um burro! O médium tem que dar condições ao espírito, para poder extrair sua cultura. Na umbanda chamamos o médium de cavalo. Um cavalo bem domado, sabendo andar, trotar e galopar, deixar ser montado e obedecer as rédeas, facilita ao cavaleiro. Quanto mais preparado, cultural e espiritualmente, mais fácil para o espírito dar sua comunicação. Você é um imbecil!

Apesar da grosseria das palavras, todos, inclusive o Domingos, acharam graça da forma do pai-de-santo expressar-se.

Embora comum e fundamental para a religião espírita, a incorporação de um espírito com o médium é um grande mistério. O Domingos acreditava que não adiantava nada o médium ter cultura espírita. Já o pai-de-santo com sua experiência pregava o contrário. Foi com outro espiritualista que entendi a incorporação e a necessidade da preparação do médium.

Naquela ocasião, ainda não conhecia o Andir de Souza, um experiente pai-de-santo. Gosto de conversar com ele e, principalmente, trocar idéias sobre a umbanda. Falávamos sobre a mediunidade, principalmente no que se refere a diferença da mesma entidade incorporada em médiuns diferentes.

- É a terceira energia – disse.
-
- Terceira energia? Explique melhor, pedi.

- O espírito é uma energia e o médium é outra. Cada qual com sua cultura, sensibilidade e conhecimentos. Um é um e outro é outro. Entretanto, quando a entidade toma o corpo do médium, essas energias se unem, formando uma terceira. Ambos estão ali presentes, reunidos em uma só força. É como dois em um.

- Como o café com leite? Tentei ajudar.

- Sim, boa colocação – elogiou. O café é uma bebida pura, o leite também. Os dois juntos criam uma terceira bebida.

- Isso explica bem. Se a entidade incorpora em mim, ela fica com uma parte que sou eu. Se incorpora em outro, fica com uma parte do outro. Não pode ser igual, em dois médiuns diferentes. Falei, para esclarecer minha compreensão.

- Isso mesmo, disse o Andir. Vamos imaginar um exu, incorporado em um médium manso, culto, amoroso, com sua aura limpa e vibrante. O mesmo exu incorporado em um médium menos preparado, violento, e cheio de ódio. Obviamente, no primeiro, ele vai trazer, em sua manifestação, toda esta parte boa do médium, misturada em sua energia. No segundo médium, vai ter que lutar para não deixar esta parte ruim do médium, se sobrepor à sua vontade. Vai parecer, para quem conversar com os dois médiuns, que não é a mesma entidade.

- O princípio do computador. Completei. O espírito só pode tirar do médium o que ele tem programado. Como um computador. Se seus arquivos são de má qualidade, só pode informar coisas semelhantes. É, está bem esclarecido este ponto.

Enquanto voltava para casa, pensando na proveitosa troca de idéias com o Andir, lembrei-me do Domingos.

- Pena que o Domingos já desencarnou, senão poderia explicar para ele o que o Ferro não conseguiu. "

FMG

29 comentários:

  1. Gostaria de expor minha experiência pessoal neste aspecto, não se vai ser de grande valia. Observando as entidades que trabalham comigo e as que andam por perto cheguei a algumas conclusões. A primeira é a de que com o tempo vamos nos familiarizando com a energia delas e deixando aos poucos que a proporção da mistura da entidade seja maior. Ou seja, na medida que confiamos na entidade ela terá um desempenho melhor,porque travamos menos. A medida que travamos menos, temos mais equilíbrio, também aprendemos mais.
    E aprendemos a vida inteira na Umbanda não é Pai Fernando? As entidades têm muito a ensinar, se estamos abertos para aprender.Senti na última gira entidades próximas a mim que eu não conhecia, ou pelo menos não estou acostumada a receber, então travei. Agi como uma curitibana pura que não conhece a pessoa e não se digna a conversar, ou pelo menos fica ressabiada.
    Uma das coisas mais bonitas que vi foi a incorporação do seo Tranca Ruas das Almas pelo Pai Fernando. Há tanta confiança entre os dois, cumplicidade mesmo, que acho que se o seo Tranca for o café, ali estava em 90 por cento.Porque o seo Tranca sabe o que pai Fernando crê como filosofia de Umbanda e Pai Fernando sabe exatamente a atuação do seo Tranca.As vezes fico pensando que se Pai Fernando pudesse ficaria sentado num banquinho do lado só escutando o que as entidades têm a falar. Mas isto advém da maturidade dele, coisa que espero conquistar um dia.
    A questão toda do café com leite no meu entender vem da entrega e da cumplicidade com a entidade.Eu sei que sempre falo do seo Beira Mar,mas gosto de usar este meu relacionamento com ele pra exemplificar. Ele me ensinou como funciona um ponto riscado, onde estão os pontos principais de energização na pessoa, entre várias outras coisas que eu ,por confiar nele ,aprendi. Um grande professor só pode ensinar se o aluno se dispõe a escutar.
    A segunda coisa é a lei dos iguais que se aproximam. Eles são nossos pais espirituais pois tem semelhança conosco. Como nossos pais carnais. Não somos exatamente iguais a eles,nem temos as vezes os mesmos dons,mas nos amamos. E amor, aprendi no Terreiro, é peça fundamental em todos os momentos.
    Falei pra caramba e não sei se contribui,mas desejo a todos muito axé na caminhada como médiuns.Saravá

    ResponderExcluir
  2. Mucuiú, Pai Fernando,

    Para mim, a terceira energia é uma prova de fé para o médium.

    Exige que o cavalo se aperfeiçoe, não somente por meio do estudo, mas principalmente cultivando bons pensamentos e uma postura correta na vida, porque isso vai influenciar na qualidade da comunicação da entidade e com a entidade.

    Para os iniciantes e um tanto céticos, como eu, constatar uma parcela de energia própria na incorporação exige uma crença ainda maior, uma vez que, até "firmar", fica difícil saber se é animismo ou se é de fato a entidade.

    Aí vem a minha dúvida: se a entidade ainda não deu o nome e não riscou o ponto, como pode o médium comprovar se está diante de uma incorporação verdadeira?

    Daniel

    ResponderExcluir
  3. Tio Fernando !

    Amigos do Blog!

    Bom dia!

    Qdo li esta parte no seu livro, ri bastante, pois isso já me aconteceu! E o que acnteceu com o Domingos aconteceu com meu irmão! Tudo no mesmo dia!

    Um dia ao visitarmos um terreiro de uns amigos, vi uma médium incorporar o Caboclo Pena Dourada, caboclo este que tenho a grande honra de servir como seu cavalo.
    A médium era bem pequeninha, magrinha, um pinguinho de gente, calma, um doce em pessoa, falava com mansidão, parecia sempre estar sonolenta. Vi que o caboclo incorporado nela era diferente de em mim, pois em mim ele é agitado e se movimenta bastante, brada qdo chega de uma forma diferente de qdo com ela, bom enfim tudo era diferente, pois sou enorme, gordinha, estabanada, tá sem detalhes.
    Daí, qdo estávamos conversando sobre as diferenças, eu, meus amigos que tb estavam lá em visita, meu irmão, a Vanessa (a médium que trabalhava com ele, a Mamy e o Tio Sílvio (pai de santo do terreiro que estávamos visitando), comparando várias coisas. De repente o ilustre meu irmão solta a pérola: É o Sr Pena Dourada na Vanessinha fica espremidinho, qse que sufocado, na Joyce ele consegue até dançar frevo olha a imensidão dessa criatura...
    Nossa na mesma hora a mamy vira-se pra ele e fala super séria: Cala essa boca! Larga mão de falar tanta asneira, se eu levantar dou-te uns tapas, vai parar agora e pensar no absurdo que vc falou... Daí a gargalhada foi geral, não dava pra olhar a cara do bobão tomando um sermão e ainda ficou ouvindo calado uma explicação imensa sobre exatamente o que Sr. falou... Foi muito engraçado, mas quem tinha alguma dúvida já acabou ali.

    Meu irmão e o Domingos devem ser parentes...(rs)

    Brinacadeiras à parte foi muito interessante o q vimos, como é diferente a terceira energia que se forma, é nítida e notória as diferenças. Maravilhosa as diferenças da nossa Umbanda!

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Mucuiú Pai Fernando,
    A Umbanda do Terreiro do Pai Maneco entrou em minha vida para dissolver certas opiniões formadas através de pré-conceitos (no sentido literal). Adotar, aderir, aceitar, compreender o mundo espiritual através de uma ótica despretensiosa não é de fácil aceitação, já que nos deparamos com centenas de promessas de milagres. O TPM mostrou a mim e a todos do meu em torno que não há o menor sentido em cultivarmos orgulho ou vaidades, embora cruzemos com alguns vez ou outra. A caminhada é longa e árdua, as barreiras são jogadas em nossa frente e é aí que entra o conhecimento, a cultura, o livre arbítrio, o fazer o bem sem ver a quem e pricipalmente o amor. Tudo que seja feito de forma autentica, leal e sincera passa a valer a pena. Agradeço-lhe pela bravura e persistência incansável de desmistificar o que ainda carrega um peso fora do comum: A Umbanda. Muita obrigada!
    Mucuiú

    ResponderExcluir
  5. Gosto dessa passagem pq retrata, pra mim, um equilbrio necessário, ou seja é preciso investir em todos os componentes desse processo. Cuidar do corpo, cuidar da mente, cuidar do espirito, cuidar da entidade. E todo esse cuidar significa nao só zelar, mas investir procurar conhecer e melhorar. Levar uma vida saudavel, cuidar da saude, investir na cultura e na educação (formal e informal) sao preocupacoes constantes e fundamentais.
    Aqui minha questao... Seguindo esse raciocinio posso concluir que , se o medium estiver atento, as entidades que recebe sempre contribuirão para seu desenvolvimento, pois tb é de seu interesse ter um corpo saudavel, uma mente saudavel, cultura, educacao, etc
    É isso?

    abracos
    Sidney

    ResponderExcluir
  6. Mucuiú, Pai Fernando. Eu li o seu livro e acho que é de uma riqueza de esclarecimentos, necessária para nós, médiuns ansiosos por entender melhor o que se passa dentro da gente. Adorei a referência ao "café com leite". Quando conheci essa ideia, nunca mais me preocupei com as atitudes das entidades, em comparação com as outras, seja ela qual for. Isso me angustiava muito. O que tem me deixado emocionada, em relação a isso, é que a entidade fala por meio de nós, e elas dizem coisas tão lindas, mesmo quando são ásperas... afinal, essas coisas lindas saem de dentro da gente. Por que será que não carregamos isso no nosso dia a dia? Tolerância, humildade, bondade, etc. Isso é um aprendizado inigualável! Então, se elas falam por meio de nós, essas qualidades, se não as temos, estão sendo "instaladas" em nosso ser?
    Será que está certo esse raciocínio?

    ResponderExcluir
  7. Salve, salve Pai Fernando Mucuiú !!

    Eu, mais do que ninguém , nutro um enorme carinho por esse livro, porque atraves dele e do Astral, hoje faço parte dessa obra chamada TPM.

    Esse capitulo é interessante.
    Particularmente faço uma observação em cima desse tema ; um médium sempre tem essa duvida acerca da incorporação ( que prefiro chamar mediunização ), de como se processa essa junção médium / espirito, e essa da terceira energia, é uma boa explicação.

    Deixo aqui minhas linhas sobre :

    Não é possivel tocar um instrumento mal conservado, nem tirar notas suaves e harmoniosas deste ; porem após uma grande reforma, este passa a ser bem executado desde que o tocador seja preparado para tal.

    Um médium perturbado, que nao consegue se reformular , que tem conduta pouco condizente com a questão e compromisso espirituais, não pode trazer em sua carcaça mediunica, um espírito que trabalhe de forma tênue e expressando tesouros morais que expressem exemplos iluminados de fé, paz interior, levar consolo a um coração endurecido e sem esperança. Fica dificil, a aproximação já que muitos de nós sabemos " o semelhante, atrai o semelhante " .

    Não podemos jamais deixar de nos preocupar com nossa vigilancia, porque como seres humanos, oscilamos vibratoriamente entre pensamentos e situações cotidianas que nem sempre são positivas.

    Enfim, acredito que essa fusão magnetica ocorra de forma bem elaborada quando nós, mediuns de Umbanda conseguimos no aproximar da fraternidade , sem julgar o outro, sem pensar na vaidade mediunica e ate mesmo quando admitimos esse compromisso da mediunidade, como um ato de reparação para com nossos espíritos que de alguma forma fracassaram em vidas passadas e que hoje necessitam desse trabalho espiritual que é pesado ( na forma extenuante, de como é realizado ).

    Ser médium não é um benção. É um compromisso. E quem está " do outro lado " tambem quer ajuda para realizar a sua parte nesse compromisso firmado no Astral.

    Façamos essa terceira energia ser bem homogeneizada, para que todos possam seguir ( médium / espírito ) no caminho da luz e tentar com trabalho árduo, minimizar ( talvez ) o teor de suas faltas passadas.

    Saravá !!

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde a todos!
    Boa tarde pai Fernando, mucuiú!

    Lembrava dessa parte do livro, mas não que era o Domingos!!! Mesmo não o conhecendo consigo visualizar ele tomando uma bronca de Seo Edmundo..rs

    Esses dias estava eu conversando com um amigo sobre a Umbanda...E ele fala assim " Umbanda pra mim é Caboclos, pretos velhos, xú e criança...As pessoas querem inventar mais coisas..."

    Ele disse pelo fato de hoje as pessoas falarem muito sobre energia, luzes, densidade,cursos de magos, Cursos de Umbanda, entre outras coisas.

    Bom, na verdade eu acho que tudo é válido se não for de forma excessiva. Antigamente as pessoas se satisfaziam com respostas evazivas...Não perguntavam os "porques" das coisas. Mas é claro! Nem os próprios dirigentes sabiam explicar as suas origens ou das coisas que eles trabalhavam e acreditavam...!!!

    Então vieram com o tempo novos estudiosos, novas doutrinas, novas junções, novos espíritos...

    Nossa! Lembrando de incorporações alheias lembro de médiuns com suas respectivas entidades fazendo sinais obscenos, de forma que usavam drogas, se insinuando para os consulente e...Aff! Dá até vergonha de falar.

    Não venha me dizer que é uma entidade que trabalha na linha da Umbanda em prol da caridade...Porque pra mim não é nem de longe!

    Por isso que sempre falo dos estudos, da reforma íntima...inda tenho que melhorar muito como ser humano. Quem sabe mais umas 3 reencarnações só para melhorar meu gêniozinho " delicado de ser" e minha falta de filtragem cerebral...Mas mesmo sabendo dessas minhas lutas internas, eu continuo a estudar e tentar aprender mais com as pessoas.

    Por isso parabenizo seo Edmundo Ferro e seu discípulo Pai Fernando, pois as gerações estão passando e com ele o conhecimento tbém.
    Digo: Passando adiante!!!

    Axé.

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde a todos do Blog!

    Sua benção Pai Fernando,

    Gostei muito, de forma simples e bem objetiva explicacão sobre a terceira energia.
    Li e concordo com todos os comentários acima mas eu acabei vendo por um outro foco.
    Estou aqui pensando se....
    A terceira energia está no nosso dia a dia também e não somente na Umbanda???
    Se eu estiver errada desculpe-me Pai Fernando desde já, mas as energias que emanam do nosso corpo também se fundem com as dos outros irmãos, criando um elo energético como se fosse uma terceira energia? Poderíamos ver isso no profissional, pessoal, familiar, religioso, enfim em tudo que nos cerca. Isso explicaria as mais diversas sintonias que temos com pessoas,as atitudes, formas, pensamentos,...Uniões que geram ótimos frutos e verdadeiros alicerces para a evolução epiritual. Da mesma forma o contrario pode acontecer....

    Abraços a todos!
    Axé
    Anna

    ResponderExcluir
  10. ANDRÉA, agradeço a referencia. Sempre é um estimulo.

    ADDOR, um fato que sempre menciono e quero mais uma vez deixar claro, é sobre o animismo. Na verdade o animismo é mal entendido atémesmo como vc postou, dá a impressão que é o médium que pensa estar incorporado, quando na verdade animismo é o espírito do médium que incorpora em seu próprio corpo. Confesso que nesses últimos cinqüenta anos nunca vi isso. Também para saber se é uma incorporação verdadeira basta ter fé nos dirigentes, na casa e em vc próprio. Quando é incorporação errada ou falsa, alguém, em uma instância uma entidade, vai revelar isso.

    JOYCE, os fatos se repetem e só mudam os personagens.

    MADELON, que boa essa declaração sobre nosso terreiro.

    SIDNEY, como de costume uma observação abrangente.

    KÁTIA e MAURO, de fato essa explicação do Pai Andir sobre a incorporação é muito interessante e esclarecedora.
    LUNA, foi realmente uma cena muito engraçada. O Edmundo Ferro era muito estimado e ninguém nunca ficou magoado pela forma dura de chamar a atenção de seus médiuns.

    ANNA, até pode ser, mas no momento nosso foco está só na Umbanda e na incorporação de seus médiuns.

    FMG

    ResponderExcluir
  11. Bom depois de cair a minha internet, vou tentar reproduzir com o maximo de fidelidade ao texto anterior

    Saravá!

    Recentemente estava pesquisando uns textos, material para uma palestra e não sei se foi um texto escrito ou porque ví tbm recentemente a exibição do Programa Pinga Fogo com a exibição do nosso Saudoso Chico Xavier, onde ele abordava o seguinte assunto:
    “A mediunidade se dá tanto para o espírito mais culto, quanto para o mais ignorante como eu (Chico se referia assim à ele mesmo, rs). Aos irmãos cujos espíritos são mais jovens na caminhada mediúnica, é comum encontrarmos maior resistência ou brutalidade no serviço mediúnico, pois a sua mediunidade ainda está se formando, diferentemente daqueles cujas encarnações anteriores já exerciam a mediunidade e hoje se encontram novamente em labor, porém com maior consciência evangélica. Porém, ambos estão burilando sua mediunidade dentro dos serviços Cristãos ( era assim que Chico se referia aos espiritas: como cristãos, porque estavam sempre a serviço de Jesus Cristo), e todos devemos melhorar nosso íntimo para conseguirmos manter os instrumentos afinados para compreender a QUALIDADE da “melodia” (incorporação) tocada (realizada).

    Podemos tirar desta informação, alguns ensinamentos preciosos:
    Que o ser humano é medium em maior ou menor grau, conforme sua propria bagagem espiritual.
    Que a sintonia mediunica se dá melhor conforme vamos melhorando nosso íntimo, para que possamos nos sintonizar vibratoriamente com mais QUALIDADE para as entidades, que já tem que rebaixar seu padrão vibratório para se comunicarem conosco, e com o passar do tempo, com a cumplicidade entre o médium e a entidade, a mecanica da incorporação, vai tornando-se mais sutil, ao passo que vamos ficando mais “afinados” e a “melodia” mais harmonica.
    Concluo, usando a sabedoria destes dos Mestres: Chico e do Caboclo das Sete encruzilhadas:
    ” Meus irmãos: sejam humildes, tenham amor no coração, amor de irmão para irmão, porque vossas mediunidades ficarão mais puras, servindo aos espíritos superiores que venham a baixar entre vós; é preciso que os aparelhos estejam sempre limpos, os instrumentos afinados com as virtudes que Jesus pregou aqui na Terra, para que tenhamos boas comunicações e proteção para aqueles que vêm em busca de socorro nas casas de Umbanda.
    Tenho uma coisa a vos pedir: se Jesus veio ao planeta Terra na humildade de uma manjedoura, não foi por acaso. Assim o Pai determinou. Podia ter procurado a casa de um potentado da época, mas foi escolher aquela que havia de ser sua mãe, este espírito que viria traçar à humanidade os passos para obter paz, saúde e felicidade.
    Que o nascimento de Jesus, a humildade que Ele baixou à Terra, sirvam de exemplos, iluminando os vossos espíritos, tirando os escuros de maldade por pensamento ou práticas; que Deus perdoe as maldades que possam ter sido pensadas, para que a paz possa reinar em vossos corações e nos vossos lares.
    Fechai os olhos para a casa do vizinho; fechai a boca para não murmurar contra quem quer que seja; não julgueis para não serdes julgados; acreditai em Deus e a paz entrará em vosso lar. É dos Evangelhos.
    Eu, meus irmãos, como o menor espírito que baixou à Terra, mas amigo de todos, numa concentração perfeita dos companheiros que me rodeiam neste momento, peço que eles sintam a necessidade de cada um de vós e que, ao sairdes deste templo de caridade, encontreis os caminhos abertos, vossos enfermos melhorados e curados, e a saúde para sempre em vossa matéria”
    Com um voto de paz, saúde e felicidade, com humildade, amor e caridade, sou e sempre serei o humilde Caboclo das Sete Encruzilhadas".

    Sarava Fraterno

    ResponderExcluir
  12. JOÃO EMERSON DA COSTA,CTBA12 de novembro de 2009 17:08

    OI PAI FERNANDO: "ATÉ NOS LÍQUIDOS AQUI NO PAI MANECO EU TIVE UMA EVOLUÇÃO....ANTES EU ERA IGUAL A AZEITE COM ÁGUA, NÃO ME MISTURAVA,NÃO TINHA AMIGOS,SEMPRE SÓ....POIS ACHAVA QUE A VOZES QUE FALAVAM NA MINHA CABEÇA,ERAM ECOS DE MINHA IMAGINAÇÃO ARTISTICA...OS ARREPIOS QUE ME FAZIAM SALTAR DO CHÃO,OS SÚBTOS APAGÕES NA HORA DE E SCREVER TEXTOS...E QUANDO OS LIA PERCEBIA INFORMAÇÕES,QUE EU NÃO TINHA CONHECIMENTO CONCIENTE....EFIM AQUI PASSEI DE OLEO COM ÁGUA A CAFÉ COM LEITE QUE É MUITO MAIS SABOROSO,MUITO MAIS ...MESMO....SARAVÁ .

    ResponderExcluir
  13. Carlos Lima (Portugal-Lisboa)12 de novembro de 2009 21:37

    Eu chamo de mediunidade ignorante que é exercida pelos que verdadeiramente têm grande aversão ao estudo e à meditação. Nessa modalidade, o médium conscientemente classifica o estudo contínuo como algo desnecessário. Acredita que somente as instruções dos Caboclos e Pretos Velhos das (entidades) já são suficientes para que ele seja um grande instrumento. A leitura, a pesquisa e o conhecimento dos mecanismos mediúnicos são coisas sem importância na visão dos ignorantes.
    Ser instrumento da Espiritualidade Maior é uma benção recebida por muitos. Porém, como qualquer instrumento necessita de um aprimoramento e de ajustes constantes.
    Não basta ter mediunidade. Mas, é importante que esta seja útil aos interesses do Criador, pois todo médium é um depositário da confiança de Deus. Para ser útil, a mediunidade tem que estar firmada nas instruções que vêm do Alto.
    Bom seria se todos os médiuns aplicassem a sabedoria e o conhecimento no aperfeiçoamento da mediunidade e se o estudo fosse uma constante para um perfeito ministério mediúnico para a terceira energia.

    ResponderExcluir
  14. Pai Béco de Oxóssi13 de novembro de 2009 03:44

    Mucuiú! Pai Fernando.
    Concordo Plenamente com a geração da terceira energía. Quero apenas lembrar, que ela não significa, no meu entendimento, potencializar conhecimento, ou seja, juntar o conhecimento da entidade com o do cavalo para gerar um produto final de alto conhecimento. Ela pode , simplesmente, usar o conhecimento da entidade, sob todos os aspectos, e as virtudes do cavalo, tais como, humildade, simpatia, habilidade para tratar com as pessoas, carinho etc., para alcançar um determinado fim. Pode também usar o conhecimeto da entidade, com a bôa energia do médium, para um trabalho específico. Quando chamávamos a linha do oriente para o trabalho de cura, havia uma entidade que não falava, entretanto fazia curas formidáveis. Também um indio que falava uma lingua inintelegível, mas fazia pajelanças espetaculares, numa demonstração clara que a importância desta simbiose está no resultado. Portanto, entendo que a terceira energia existe, na parceria do médium com a entidade, e funciona, como no futebol uma dupla de área, botando a bola na rede. Pai Béco de Oxóssi.

    ResponderExcluir
  15. Gostaria de dar uma opinião Pai Fernando e demais blogueiros. Concordo que a pessoa deva, ao ser umbandista e servir melhor a religião, estar bem informada e não se privar de alguns estudos.Contudo gostaria de que refletissimos sobre alguns aspectos particulares da Umbanda.Nós vivenciamos o conhecimento diferentemente de qualquer outra religião.Nós não temos dogmas, não temos âncoras que segurem nosso desenvolvimento e estamos abertos a toda mudança que a humanidade venha a sofrer.E com humildade temos que aceitar coisas que vão além do nosso conhecimento. O Pai Beco explanou isso de forma brilhante. Como explicar uma entidade que não fala nada e promove curas? Como explicar entidades que proferem palavras ininteligíveis e fazem com que pessoas se libertem de amarras? Temos sim que ler ,mas não tomar estes conhecimentos como verdades imutáveis. No meu entender é mais válido um livro como o grifos do passado que conta a experiência de um ser humano na Umbanda e suas conclusões do que teorias complexas. E olha que adoro ler sobre filósofos. Acredito que a Umbanda se baseie em três pilares: a observação, a reflexão e a vivência. Quando a mãe Jô dá as suas palestras ela sempre intermeia com sua própria experiencia ou cita a experiência de outros. Porque Umbanda é conhecimento diário. Como mãe posso falar que amo meus filhos desde que nasceram, mas amor é algo que se constrói também no dia a dia. A medida que os filhos crescem, vai crescendo o amor por eles pelo entendimento que temos de sua importância em nossas vidas.
    A Umbandfa para mim é como um caleidoscópio, á medida que vc vai mudando de ponto de visão, ela apresenta cores diferentes e é justamente aí que está sua força. Se eu estiver em erro por favor me corrija pai Fernando. Saravá!

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Pai Fernando.
    Acabei de ler o que o Pai Beco escreveu e estava pensando no meu trabalho com as entidades. Trabalho esse que muito me preocupa, tamanha responsabilidade. Tudo ali é de grande responsabilidade, mas creio que quando estamos diante de um consulente e que o que as entidades dizem saem de nossa boca, coração e mente, a responsabilidade parece que dobra. Acho que as energias se juntam para facilitar o trabalho das entidades. Se o médium tem mais esclarecimento, fica mais fácil para a entidade se pronunciar. Portanto, conheci médiuns maravilhosos, analfabetos, que diziam coisas de deixar qualquer doutor de boca aberta. O contrário também parece verdadeiro. Às vezes minhas entidades querem dizer coisas que eu sei o que são, mas elas parecem não sair daquela forma que eu conheço. É bom para o exercício da tolerância e humildade. Entendo que Eles têm que trabalhar e que devemos facilitar isso. Mas, se não tem como, o trabalho também acontece. Eles nos surpreendem sempre. Pelo menos a mim. A cada semana são situações novas, e novos raciocínios, novos pensamentos, o que faz a mente não parar nunca. Isso é o máximo! Fico pensando se algum dia vai acabar acontecendo de ser só café ou só leite....

    Saravá a todos!

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde a todos!!!

    ( mesmo podendo tomar uns forões...)

    Bom já que Andreia deu uma opinião baseada nos fatos...Vamos aos estudos...

    Quando se fala em entidades não falar e fazer curas, isso tem haver com o espírito! E nenhum deles precisam falar mesmo para fazer algo...Pois para eles não existem barreiras.
    Quando fala que uma entidade falou de forma diferente da nossa língua, o que seria??? É porque o médium tbém fala outros idiomas, por isso que ele tem que estudar para obter informações e assim a entidade falar de forma a surpreender as pessoas???
    NÃO!!! Antidade fala outra língua pelo simples fato da entidade utilizar 100% do chacra laríngeno ( a garganta) de forma que o médium não interfira. Ou seja: Nada de sobrenatural.
    E aonde sabemos essas pequenas informações???? Estudando! Lendo, assistindo palestras, debatendo...

    Esses dias estava conversando com um amigo do blog e me pareceu que ele estava com grande medo do começo da mediunidade dele esbarrar nas mistificações e nos "ditos" animismos.

    As pessoas acham que isso é o horror da mediunidade, mas esquecem que pra tudo existe um processo de limpeza psíquica para que a própria mediunidade se faça limpa e presente...Então dando uma explicação simples e humana, ele percebeu que faz parte de um processo natural.

    Umbanda é uma religião que lida com espíritos, física, elementos da natureza, caridade, sintonia vibratória e outras coisas...

    Pra mim que sou tão nova em idade ,ainda ver que existem centenas de pessoas que ainda resitem aos estudos, a novos conhecimentos, ou a regras impostas por seus dirigentes. E isso seja em qquer religião!
    A rigidez mental ainda é uma casa segura para quem não quer sair de sua zona de conforto.
    Axé.
    Luna - RJ

    ResponderExcluir
  18. PAI BECO DE OXOSSI , ANDRÉA e KATIA: quando médiuns analfabetos demonstram grande cultura quando incorporados, ou mesmo quando eles têm manifestação em idioma estranho e também do desconhecimento do médium, com certeza a entidade foi buscar essa capacidade cultural em vidas anteriores do médium e que ele foi culto e falava o idioma usado pela entidade. Café ou leite puros não podem servir de exemplo para uma incorporação. Só sua mistura, embora possa ter mais ou menos café. FMG

    ResponderExcluir
  19. Puxa Pai Fernando, gostei disso:"Café ou leite puros não podem servir de exemplo para uma incorporação. Só sua mistura, embora possa ter mais ou menos café. " Leva a uma baita reflexão...

    ResponderExcluir
  20. João, se vc era azeite, era de Oliva.rsrsr
    Lucilia

    ResponderExcluir
  21. Pai Fernando,

    Naõ sei se cabe ao tema, mas segue um texto de uma de minhas apotilas de estudo:

    "Autoria Espiritual: Maria Padilha das 7 Encruzilhadas
    Transcritor: Mãe Luzia Nascimento
    Local: Centro Espiritualista Luz de Aruanda

    "Por ser atributo do ser espiritual a mediunidade é faculdade que o acompanhará onde quer que este se encontre. O médium não só o é nos dias e instantes que antecedem o fenômeno durante as sessões de um terreiro – essa condição se faz presente vida a fora, dia-a-dia. Muitos filhos se esquecem dessa particularidade e quando saem do terreiro não se lembram dos ensinamentos repassados pelas entidades. Se um médium é dócil, gentil, educado, fraterno em suas atitudes não o deixará de ser após as sessões; da mesma forma que se a hostilidade lhe molda a personalidade em seu cotidiano, essa característica apresentar-se-á na sua conduta como médium, muito embora conte com toda amorosidade, disciplina e seriedade de sua Banda. É comum vermos na lida diária a despreocupação dos médiuns em cultivar a serenidade, a paz interior e a gentileza natural. E aí o que acontece? Acontece que muitas entidades que lhe seguiram os passos após a sessão, precisando de seus exemplos no bem, a fim de entenderem o significado da palavra caridade de forma materializada, verão ruir por terra toda aquela aparência de bom moço e então na próxima sessão o médium chegará ao terreiro não se sentindo bem e normalmente alegará que está com algum "encosto" a lhe perturbar e que precisa de ajuda da corrente, pois na última semana nada em sua vida deu certo. Também pudera! Esqueceu que seu compromisso não é só no terreiro e se permitiu envolver com energias densas em ambientes não tão saudáveis a sua manutenção de bem-estar. E o que é pior: ainda fala que a culpa foi de seu Exu ou de sua Pomba Gira que não o protegeu! Como coisa que sejamos babás de plantão e não tenhamos serviços a executar. Há ainda alguns que dizem: "mas eu faço tudo certinho tomo meus banhos, acendo minhas velas, firmo minha Banda e só vivo atrapalhado!" Afirmamos que assim esse médium continuará até que perceba que a Umbanda faz caridade e não milagres! Que a Umbanda mostra o roteiro, porém quem tem que trilhar são os filhos. Que nela não há facilitações muito embora não existam impossibilidades – desde que se queira melhorar – afinal de contas por que vocês médiuns estão na Terra em um corpo físico? Já pararam para pensar nisso? Não pensem vocês que estou querendo colocá-los numa postura de santidade. De forma alguma! Pois lugar de Santo é no Céu e lá a lotação já está pra lá de esgotada ou então em oratório. Só estou querendo mostrar que nada passa despercebido à lei do Todo Poderoso e que não adianta colocar máscara de bonzinho porque com o tempo essas se desfazem. Não passem a culpa de seus mal-estares às entidades. Não coloquem vossas responsabilidades em nossos ombros e façam a vossa parte, porque a nossa já o fazemos. Ou vocês duvidam disso? E então meu filho em qual Encruzilhada iremos nos encontrar? Em qual delas vou te buscar? Saravá aos filhos dessa Banda!”

    Saracva Fraterno
    Fabille

    ResponderExcluir
  22. Lindo Fabille. Saravá Dona Maria Padilha das 7 encruzilhadas! Também não sei se tem a ver com o tema,mas me ajudou e veio como resposta aos meus pensamentos...Saravá Fabille!

    ResponderExcluir
  23. Mucuiú! Pai Fernando.
    Embora a minha inteligência esteja longe de ser brilhante, no pouco que ela se manifesta, me leva a enterder perfeitamente porque uma entidade pode falar outra lingua que não a do médium. Me leva também a saber que uma entidade pode trabalhar calado e ter resultados. Claro! nada de sobrenatural, embora não pareça. também entendo assim. Mas, eu fiz referência, tão sòmente ao resultado da simbiose entidade/cavalo, ou mais, uma parceria cujo escopo é energização para cura, explorando assim, outros atributos do médium, na modalidade café com leite. Nem todo intelectual tem bôa energia e é só. Axé!

    ResponderExcluir
  24. cristina diz:
    obrigada Fabille. Hoje estive pensando nisso o dia todo. Como posso ser melhor a cada dia,como trazer para minha vida todos os ensinamentos que recebo na Umbanda. muitas vezes, é fácil, quando se trata de pessoas alheias, mas como é dificil quando se trata dos que estão próximos, como minha mãe.Como perdoá-la por não ter me atendido durante meu crescimento, como tentar compreender o amor que ela dedica incondicionalmente a minha outra irmã, em detrimento de 3 filhos. como aceitar que ela viva totalmente em função de uma só filha. e cada vez mais acho que a resposta é o amor.este amor que as entidades nos mostram como usar para fazer o bem, dentro e fora do terreiro.
    Então, entendo que esta mistura de café com leite, com certeza irá acontecer completamente quando me deixar guiar totalmente pelas entidades, no terreiro e levá-los junto a mim, dentro do meu coração, para fora do terreiro.Axé.

    ResponderExcluir
  25. Cristina Saravá.
    Vou te repetir algumas palavras da palestra que dei segunda feira:

    A reencarnação.
    Tudo que somos esta gravado na nossa memoria espiritual, uma arquivo repleto de viviencias boas e ruins, conhecimentos os mais variados, sentimentos por vezes desconexos que fazem parte da nossa história humana.
    Nossos relacionamentos são a figura que mais temos que buscar compreensão, mas uma compreensão com felicidade. Muitas vezes ignoramos o fato da reencarnação nas nossas vidas, mesmo sendo tão espiritualistas.
    Ignoramos mediante a dor, o desespero, a invigilancia, o medo, a solidão.... ignoramos que temos um passado, onde acertamos algumas vezes e erramos por diversas outras, e estes erros geram marcas as das mais profundas no nosso espirito.
    Atraves do renascimento na terra, podemos tentar cicatrizar essas marcas, ao passo que nossas convivencias com os agentes envolvidos neste erro, transformem nossos sentimentos amargurados e nossas tristezas em aprendizado sobre o que é a VIDA MAIOR e o valor do AMOR.
    Jesus nos falou por parábolas, e nos exemplificou o amor divino com a sua missão.
    As entidades que trabalham conosco em parceria, não estão ali somente para fazer caridade pra assistencia, estão ali para fazer caridade conosco, seres imperfeitos cheios de manias e vicios. Mas que mesmo sendo possuidores de tantas máscaras e defeitos, eles nos amam como pais zelosos, a nos ensinarem o melhor caminho.
    Se teu lar te oferece resistencia a compaixão, ao afeto ou de confronte com sentimentos as vezes egoistas, devemos crer, que na reencarnação está nossa possibilidade de aniquilarmos a nossa pequenez e tentarmos ser felizes com o que Deus em sua beneficiencia nos concedeu a nosso pedido, para nos redimirmos das nossas ações junto aos nossos entes queridos e a Lei Divina.
    Creia N'ele e nas entidades que tanto nos ensinam a perseverar, a amar o proximo sem exigir mais do que eles ou nós mesmos, sejamos capazes de oferecer no momento.

    Abraço Fraterno,
    Fabille

    ResponderExcluir
  26. Saravá Pai Fernando,

    Já houve casos em que Espíritos transmitiram através da minha boca conhecimentos de que não tinha eu qualquer noção. Bem lembrado pelo Pai Beco, inclusive já falei outras línguas incorporado e já vi outras entidades falando também, principalmente línguas indígenas, dialetos e mortas.

    A explicação sobre a 3ª Energia, contida em seu livro: 'Grifos do Passado' é perfeita. Só comento que neste caso, a mistura pra ficar boa deve ser homogênea, no entanto quando incorporo deixo o Guia tomar as rédeas. Se fosse só transmitir o que o Espírito diz nem seria preciso incorporar, penso eu...

    Abraços,

    Ronald

    ResponderExcluir
  27. Saravá Pai Fernando! :)
    Eu li o seu livro, antes do meu Amaci. Foi uma experiência muito boa, pois "mergulhei" na energia do Terreiro de forma muito intensa. Este capítulo, como os demais, é de grande leveza, lucidez e simplicidade. Ao ler o livro, me senti, do fundo do coração, como se estivesse conversando com um amigo. Imensamente grata! Maria Letícia - leticiaquaesner@hotmail.com

    ResponderExcluir
  28. Saravá Pai Fernando.
    Não sei dizer se este trecho do seu livro é o mais esclarecedor, pois tds eles exercem esse papel. Para mim, que já tenho algum conhecimento teórico da mediunidade/ incorporação, era mt difícil fazer pessoas sem qlqr ou com pouco conhecimento sobre o assunto entenderem como se processa a incorporação. Principalmente qd já traziam informações folclóricas a respeito.O capítulo de seu livro veio preencher a lacuna nos meus recursos. Nada mais brasileiro do q "café com leite" (média,pingado ou outro nome qlqr regional). E para explicar as diferenças nas incorporações de uma mesma entidade em diferentes médiuns, digo q existe a mistura com MAIS CAFÉ DO QUE LEITE, MAIS LEITE DO QUE CAFÉ, com qualidades diversas de leite( integral, desnatado,in natura, etc) e diferentes sabores e concentração do café devido à sua origem e feitura. Logo com toda essa diversidade cd mistura tem sua característica específica mas...NUNCA DEIXAM DE SER CAFÉ COM LEITE...eheheheheh....
    Desculpe se vivo lhe plagiando mas o q é bom tem q ser copiado e bem usado. O sr concorda comigo?
    Mucuiú
    MARIA ANGELA ( ñ a Ma Helena rsrsrsrs....)

    ResponderExcluir
  29. Maria Angela, vc deve concordar que o comum é Maria Helena, ou Angela Maria. Daí minha confusão; FMG

    ResponderExcluir