Assine aqui para receber atualizações deste blog

domingo, 5 de abril de 2009

É FALSO OU VERDADEIRO? - 1

Eu já estive nas duas pontas da umbanda. Lá atrás, escondido entre o público, e hoje, na frente comandando a gira. Sempre tive orgulho das minhas observações. Olho tudo e todos, nos mínimos detalhes. Não escondo meu fascínio pela umbanda A primeira gira de umbanda que assisti, quando vi aquele garboso conjunto de pessoas de branco teve, em mim, o mesmo impacto como se eu visse o céu e seus anjos loiros exibindo suas asas brancas. Todos eram anjos para mim. Não faziam diferença, uns dos outros. Eu nem sabia se eram médiuns adiantados, desenvolvidos ou de qualidade. Se estava de branco, era um anjo. Não podia imaginar que fossem pecadores. Naquela ocasião eu não sabia diferenciar o falso do verdadeiro. Vou, aos poucos, transmitindo as coisas que aprendi.

É falso - pensar que os médiuns e diretores de uma gira, por pertencerem e incorporarem entidades maravilhosas, sejam puros e sem pecados.


É verdadeiro - separar a entidade do médium, e colher apenas suas mensagens, sabendo serem os médiuns tão sofredores e necessitados como qualquer um.


É falso - exigir dos espíritos só a felicidade, sem imaginar que o sofrimento possa lhe atingir.

É verdadeiro - pensar que o livre arbítrio e o carma fazem parte da essências de todos, não tendo os guias espirituais permissão para interferirem em nenhum deles.

É falso - imaginar que na umbanda os espíritos gostam de beber e fumar, como qualquer viciado encarnado.

É verdadeiro - pensar que os espíritos bebem e fumam, obedecendo a lei da magia, e, se realmente fossem viciados, ao invés de um sagrado terreiro de Umbanda, iriam incorporar nos alcoólatras freqüentadores dos bares que proliferam nas cidades. FMG

8 comentários:

  1. Boa noite!!! Pai Fernando, primeiramente gostaria de dizer da importancia de seu blog para os questionamentos de todos nós. Assim confesso meu fascinio pela umbanda e também pelo candomble. O ritmo entoado pela vibração dos atabaques (se batidos com proposito) no meu entender é o ponto de equilibrio para um trabalho harmonioso e também a força para enfrentar as intempéries que possam ocorrer isso tudo é claro ladeado por uma corrente também centrada nos propositos daquele momento. Em um de seus comentários/esclarecimentos acima (bebidas/cigarro) penso que o fato de não beber não impedem os espiritos de trabalharem, de concentrarem suas energias ou ainda que suas energias deixam de ter forças. Isto seria verdadeiro? Outra dúvida: é comum as pessoas confundirem seus sentimentos/crenças e até mesmo desejos de estar incorporados, com espiritos? Pergunto pois também em observações, verifico que alguns médios incoporam todas as entidades. Se tocar para Iasã, oxum, iemanja, ogum, oxossi.. muitas vezes um unico médium incorpora todos eles. isso é possivel??? grata pelas orientações.

    ResponderExcluir
  2. Marilise:
    Fico satisfeito que o blog está servindo seu real proposito que é abrirmos discussões sadias para entendermos um pouco mais a nossa religião. Vc tem inteira razão, a bebida e o fumo não têm nenhuma influencia negativa ou positiva no trabalho da entidade. Bebendo ou não o espirito é a mesma força. Na verdade o álcool é usado pela entidade para amolocer o médium. A grande magia está na forma como a entidade neutraliza a influencia da bebida no médium. Quanto aos médiuns incorporaram qualquer vibração não pode ser condenado porque faz parte do desenvolvimento da mediunidade. Por outro lado nada de errado se o médium de fato recebe espiritos em todas as linhas. Não podemos esquecer que todos que fazem parte de uma corrente mediunica gostam de receber as entidades. Como Cab Akuan já disse, "eles estão no terreiro para isso..." FMG

    ResponderExcluir
  3. Andréa Destefani6 de abril de 2009 09:36

    No começo a gente incorpora até no "parabéns pra você", inclusive meu marido falava que ,como moramos em sítio, ia colocar na porteira"Não bata palmas, perigo de incorporação". Brincadeiras a parte, sempre fiquei me questionando sobre o branco no terreiro e cheguei à conclusão que ele reflete um pouco o que nós médiuns somos: páginas em branco na busca de grifos de um mundo espiritual, que nos tragam mais sabedoria e entendimento pros nossos próprios erros e 'pecados'. O branco representa para mim a caridade que temos que ter conosco,de podermos melhorar a nossa condição humana através do ensinamento destas entidades maravilhosas que nos orientam. Axé!

    ResponderExcluir
  4. Andréa, essa representação do branco que vc criou é muito bonita e pode valer para muitos. FMG

    ResponderExcluir
  5. "É falso - pensar que os médiuns e diretores de uma gira, por pertencerem e incorporarem entidades maravilhosas, sejam puros e sem pecados. É verdadeiro - separar a entidade do médium, e colher apenas suas mensagens, sabendo serem os médiuns tão sofredores e necessitados como qualquer um."

    Descobrir que nossos "ídolos tem pés de barro" pode ser doloroso e complicado... Mas quando passamos a olhar as coisas de uma forma diferente, lembrando da humanidade de todos, e de que estamos lá todos para aprender, fica mais fácil compreendermos que qualquer um podem errar, e que todos estamos caminhando juntos, de uma forma ou de outra.

    ResponderExcluir
  6. É verdadeiro que os que tiram os pés do chão colocam a cabeça na fantasia.

    abraços

    Sidney

    ResponderExcluir
  7. como posso saber se sou uma medium

    ResponderExcluir
  8. Vc deve procurar um terreiro e falar com uma entidade, mas de principio todos são médiuns. FMG

    ResponderExcluir